Arquivo para a categoria ‘Uncategorized’

Carta aberta ao Deputado Jair Bolsonaro

Caro futuro ex-deputado Jair Bolsonaro,

Espero, sinceramente, que você leia esta carta e já esteja muito longe do poder.  Por isso me recuso a usar qualquer pronome de tratamento com você. Até porque, bem na verdade, o senhor não merece qualquer tipo de tratamento diferenciado, afinal, defende que não existam diferenças, uma vez que a constituição brasileira é igual para todos, não é?

Fere meu orgulho de ser brasileiro ver alguém como o senhor representando o meu estado do Rio de Janeiro em Brasília. Fere, primeiramente, por ver que o senhor está no poder há vinte anos sustentando o mesmo discurso nazi-fascista. O senhor, deputado, não defende os valores da família. O senhor defende tudo que há de mais errado na nossa sociedade. O senhor defende o preconceito, o desrespeito, o desprezo e a violência. São seis mandatos consecutivos propagando o ódio.

É, no mínimo, revoltante ver que alguém como você, que está na Câmara dos Deputados representando o povo brasileiro, tenha esse tipo de discurso. Será que o povo brasileiro é um recorte do seu comportamento? Será que o povo brasileiro concorda em não entrar em um avião pilotado por um aluno cotista? Será que o povo brasileiro pediria ao médico, antes de qualquer procedimento, que desse uma prova de que não é cotista? O que o senhor, em vinte anos como deputado federal, fez para reverter a necessidade de cotas raciais ou sociais? Quanto o senhor já gastou de seu tempo modificando as políticas sociais do país e pedindo melhorias na educação? Acho que o senhor estava ocupado demais pescando com seus filhos e posando para seu site com um belo uniforme militar para se preocupar com suas reais obrigações com o país.

Jair, entenda, se hoje o Brasil está “desse jeito”, como o senhor reclama, a culpa é única  e exclusiva do processo ditatorial que passamos por anos nestas terras. Ou seja, se hoje existe o desrespeito a familia, e pessoas precisando “levar uma boa surra”, a culpa é sua. A culpa é do silêncio que seus amigos propagaram no país. Esse grito que fazemos todos os dias nada mais é que o trauma pelos desprezíveis anos que passamos sob o jugo da censura e da tortura.

O senhor diz que não tem filhos gays porque os deu uma boa educação e sempre esteve presente na infância deles. Ora, deputado, acredite, meu pai me deu uma educação exemplar. Coisa que muito me orgulho. E sempre foi presente. Sempre foi preocupado com minha educação e sempre esteve ao meu lado. Meus pais são casados até hoje, sempre vivi num lar de cultura hetero-normativa como o lar que o senhor propõe a toda familia brasileira, e curiosamente, sou homossexual. Talvez meu pai não tenha sido tão presente quanto o senhor. Talvez porque ele precisava ter dois empregos enquanto a ditadura estava no país. Talvez porque meu pai nunca ganhou pensão como militar, nunca ganhou décimo-quarto e décimo-quinto salários e outros benefícios. Talvez porque meu pai precisou esconder seus ideais quanto tinha a minha idade, pois teve centenas de amigos presos e torturados, muitos deles, desaparecidos até hoje, enquanto o senhor se esbaldava no manjar da ditadura militar. Perdão. Durante o governo militarista, fruto da heróica revolução de 1964. Saudades do Geisel, não?

Deputado, acredite, nós homossexuais não queremos ser “tolerados”. Tolerar é muito pouco. Queremos que o discurso do senhor, que a constituição é igual para todos, seja válido. Queremos ter os mesmos direitos que o senhor. Queremos poder casar, queremos nos divorciar, queremos ter direito a pensão, direito visitas íntimas quando um companheiro estiver preso, e tudo mais que o senhor desfruta hoje e eu não. Já disse Saramago: “Tolerar a existência do outro e permitir que ele seja diferente ainda é muito pouco. Quando se tolera, apenas se concede, e essa não é uma relação de igualdadade, mas de superioridade sobre o outro. Deveríamos criar uma relação entre as pessoas da qual estivessem excluídas a tolerância e a intolerância”.

Não, Jair. A nação não ruirá com os valores familiares do séculos XIV caindo por terra. As estruturas familiares hoje vão muito além das aparências que o senhor sustenta. Hoje o Brasil conta com um incrível número de mães solteiras, casais divorciados e casais homossexuais, com seus filhos, e outras tantas estruturas familiares que vão muito além dos adesivos de familia feliz colados nos pára-choques de carros. Nem por isso nosso Estado está arruinado. Pelo contrário, aqueles que lutaram contra a ditadura que o senhor apoiou e brindou a morte de tantos, trouxeram um país muito mais próspero. A fase mais próspera da economia brasileira.

Dentre todas suas declarações, todas extremamente equivocadas, a que mais me choca é ver a sua opinião sobre ter uma nora negra. Receber uma mulher negra em sua família é um ato promíscuo? Em sua resposta a Preta Gil, filha de um exilado político da Ditadura, mulher e negra, o senhor desrespeitou, em uma única frase, três setores da sociedade. Qualificar a paixão como falta de educação foi um duro tapa na cara. Por mais que muitos tenham boa vontade e acreditem que o senhor não entendeu a pergunta, ou que a edição tenha prejudicado, eu acredito sim que o senhor acredite que uma mulher negra, filha de rebeldes da ditadura militar, seja uma promiscuidade. Isso é uma ofensa a todos aqueles que se solidarizam com as vítimas da ditadura, com todas as mulheres e todas e todos os negros deste país. Acredite, é bastante gente. Muito mais que os militares que o senhor defende. Muito mais que os míseros 120 mil eleitores que o senhor conquistou em 2010.

Não, Jair Bolsonaro. O senhor não me representa. O senhor representa apenas os equívocos que esse país já cometeu. Representa o retrocesso. Representa a necessidade de cotas, que o senhor tanto critica, representa a escravidão, o silêncio, as masmorras e todas as atrocidades já cometidas nesse país.

O senhor, futuro ex-deputado Jair Bolsonaro, representa tudo que o Brasil hoje mais abomina. E todos os 120 mil eleitores que o colocaram em seu sexto mandato são totalmente responsáveis por esse grotesco show de horrores protagonizado em nossa recente democracia. Irônico um ex-militar que apóia e se diz saudosista da ditadura depender tanto da democracia pra viver,  não?  São 120 mil pessoas que pregam o racismo, a homofobia e a misoginia. Espero, do fundo do meu coração, que o senhor leia isso. E não quero nada além de esclarecimento ao senhor. Jamais desejaria tortura ou a morte a alguém como você. Você merece a tortura pessoal e psicológica de ter um dia usar sua língua como seu chicote.

Atenciosamente

João Márcio Dias de Alencar.

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: