Ontem seu Rica Perrone, que até então era um ilustre anônimo pra mim, fez uma beleza de texto que tinha tudo pra ser ótimo, se não fosse uma bosta.

Rica Perrone é jornalista, ou quase isso, e tem uma coluna na Globo.com sobre esportes. Aí, como entende tudo de esportes, bom jornalistão que é, decidiu falar sobre o caso do Volei Futuro onde o jogador (homossexual) foi ofendido em quadra. A torcida adversária ofendeu o rapaz e resolveram multar o time. Uma prática até normal hoje em dia, pra ver se a torcida consegue se comportar feito gente dentro em competições. A idéia de texto do Rica não era ruim e eu quase cheguei a defender o moço nos primeiros paragrafos. Entendi o que ele quis dizer sobre hostilidade em competições, que isso sempre existiu e sempre existirá, não importa o tanto de multa que seja aplicada. Mas quando eu percebi descaso, aí eu vi o conteúdo homofobico do texto.

Entenda que homofobia não é apenas sair metendo porrada num homossexual na rua. O ato homofóbico, até impensado do Seu Rica Perrone, foi tratar a homossexualidade como uma questão menor e, com isso, soltar umas frases bem infelizes. Primeiramente eu concordo com Rica que sempre existirá ofensa em qualquer competição. Até porque o brasileiro curte xingar e é de uma cultura machista e sempre vai ofender com coisas sexuais, menosprezando quem não faz parte do ideal de Macho-Alfa-Brasilis, vide homossexuais, prostitutas e mulheres em geral. Desde criança, quando um menino chora, vem um pra dizer que você está se comportando como um viadinho ou uma mulherzinha, como se chorar fizesse você menor e não respeitar seu falo que foi criado para guiar o resto do seu corpo rumo a um buraco vaginal opulento. Brasileiro é sexista e ponto. Tirando isso, o texto do Seu Rica vai piorando mais e mais a cada parágrafo. Recortei essas frases aqui para a gente analisar:


“Ser gay, que no meu conceito é 100% diferente de ser viado, é uma OPÇÃO SEXUAL. Viado é uma “opção pra aparecer”. Assim sendo, é opcional ser gótico, Emo, pagodeiro, roqueiro, palmeirense, flamenguista, etc. Você escolhe o que quer ser e como quer viver. E isso gera grupos que se afastam ou se aproximam de você.”

“São escolhas, e não ofendendo, não menosprezando, é tão direito seu andar de rosa quanto meu andar do outro lado da rua. Qualé?”

“Eu não sou gay, nunca destratei um gay, não sou homofobico, mas não quero ter um filho gay”

“Sejam gays. A gente aceita. Só não forcem pra ser “exemplo”. Se querem igualdade, taí. O que querem, agora, é tratamento VIP. Já nos obrigaram, com razão, a respeitar. Não tentem nos obrigar a gostar.”

Primeira dicona, Seu Rica: ninguém aqui escolheu ser gay ou optou em ser hétero. Você teve esse direiro de escolha na infância? Até onde sei, quando nascemos temos apenas o teste do pézinho. Não assinamos nenhum termo de garantia que seu pipi não entrará em nenhum popô. Bem como não preenchemos um formulário indicando nossa sexualidade futura. As coisas vão se desenvolvendo naturalmente, pois percebemos que já nascemos assim (podem parar de achar que isso aqui é Born This Way, ok?).

Segundo o Seu Rica, existe uma diferença entre ser gay e ser viado. Ser gay é gostar de outro cara e ser viado é gostar de outro cara e ser afeminado. Eu fiz um gráfico pra tentar entender como é essa questão.

Ficou claro? Gay é quem dubla Britney Spears no banheiro de casa. Viado é quem duba Britney Spears na rua.

Aí, perae, então ser gay é uma escolha, igual ser palmeirense, ou ser roqueiro. A gente acorda um belo dia, assiste um clipe da Lady Gaga e fala: porra, taí, vou começar a dar a bunda. Deve ser maneiro apanhar na rua.

Sim, Seu Rica, você, enquanto heterossexual, tem todo direito de andar do outro lado da rua quando um homossexual está passando. Até porque, sei lá, vai que esse negócio de homossexualidade passa, é contagioso. Até agora não desenvolveram nenhum remédio pra combater essa pouca vergonha. Inclusive, seguindo essa linha de pensamento, eu que sou branco, deveria atravessar a rua quando um negro passar, afinal, meu direito não dividir a calçada com um negro, né? Totalmente normal e aceitável. (contém ironia)

Nunca destratou um gay, mas não gostaria de ter um filho gay. Olha, meu querido, pra começar que você nem está preparado pra ser pai com uma linha de raciocínio. Você acha que seu pai sonhou pra você o destino de ser blogueiro? Não, né? Mas ele te ama da mesma forma. Sem contar que você falando que não gostaria de ter um filho gay é uma das piores formas de destratar um homossexual. Se você soubesse 10% do que um homossexual passa internamente para assumir pra si a sua sexualidade num mundo onde tudo coverge a heterossexualidade e você fica se sentindo um estranho no ninho, você pouparia a todos dessas palavras. E eu espero que você tenha um filho homossexual para ele te ensinar a evoluir. Mas a gente sabe como é o mundo e você vai ter um filho homossexual, anote aí. Todo pai consevador como você acaba tendo um filho gay. É uma das coisas que me faz acreditar em karma. Ele vem ao mundo pra te fazer aprender a rever seus conceitos. E acredite, essa é uma das coisas mais bonitas que você pode fazer na sua vida.

Somos gays e você não aceita. Se aceitasse, jamais faria um texto tão repleto de ódio como esse. Queremos igualdade sim, e ela não está aí. Ou melhor, existe igualdade sim: na hora de pagar impostos. Mas só até aí. Por que na hora dos direitos, pelo menos 78 são negados. Se quiser saber um pouco mais, confira seu lindo: http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2009/07/450310.shtml

Não queremos tratamento VIP, queremos aquele tratamento que vocês tem. Queremos os mesmos direitos, assim como temos as mesmas obrigações desde sempre. Pedir que homossexuais sejam tratados com respeito é um tratamento VIP? Não, né? Se alguém da sua família for ofendido ou agredido e você pedir justiça por isso será um tratamento VIP ou será apenas o respeito que todo ser humano merece, independente de qualquer coisa? E ninguém obriga ninguém a gostar, mas estamos longe de ter respeito por aqui.

O engraçado é que há algumas semanas, num amistoso da seleção brasileira, um torcedor jogou uma banana pro Neymar por ele ser negro e todo mundo achou um absurdo. Ou seja, tratar um negro de forma ofensiva é ruim. Tratar um homossexual de maneira ofensiva é tranquilo? Porque essa diferenciação? Todos humanos, não? Todos nasceram assim e sofrem diariamente com preconceito, não? Alguém aí escolheu ser negro ou branco? Não. (salvo Michael Jackson, mas ele não está aqui pra se defender)

Então vamos parar com esses bolsonarismos de que gays querem ser superiores, porque o que rola aqui é um discurso de igualdade. Tudo que você, seu Rica, faz, eu também quero e posso fazer. A constituição prevê igualdade de direitos. Queremos apenas que isso se aplique.

Beijo

Obrigado pela atenção.

Anúncios

Comentários em: "Mas que bela bosta, hein seu Rica?!" (48)

  1. eu nao posso doar sangue, eu nao posso me casar, eu nao posso incluir meu parceiro no convenio ou no plano funeral, eu nao tenho direito ao “luto” casa ele se vá …
    agora eu tenho SÓ UMA PERGUNTA.

    CADE A PORRA DA IGUALDADE? ME DIZ ? ONDE ELA TÁ ?

  2. Clarice Pewandsznajder disse:

    Excelente.

    Era como no intercolegial.
    Quando meu colegio ia jogar em colegio catolico, as crianças catolicas gritavam “judeus, judeus, judeus!”

    Eramos, sim, todos judeus e MUITOS amigos meus me chamam de “judia”, mas o problema é o sentimento.

    O que determina o significado nao de algo é a pp palavra e sim, o tom.

    Excelente texto! 🙂

  3. Clarice Pewandsznajder disse:

    “O que determina o significado nao de algo é a pp palavra e sim, o tom.”

    As known as:

    O que determina o significado de algo, não é a pp palavra e sim, o tom.

    >.<

  4. Thais disse:

    É incrível uma pessoa dizer que não quer um filho gay e dizer que não é homofóbica.
    É só parar um pouquinho, prestar atenção, e ver o quão homofóbico está sendo com tal afirmação.

    Dizer que as pessoa optam por serem gays tbm é tão absurdo, que mais uma vez, é só parar, pensar um pouquinho e ver quão ridículo é isso.
    Quem aí quer se sentir um maluco sua adolescência inteira?
    Se sentir reprimido dentro de uma família maluca, tendo irmãos e pais com o mesmo tipo de pensamento imbecil desse Rica?
    Crescer achando que é anormal pq nunca sentiu nada pelo sexo oposto, por mais que tenha tentando?
    Ver que se sente atraído por pessoas do mesmo sexo e se reprimir, esconder, sofrer com isso, já que não é o correto como você ouviu sua vida inteira?

    Então se posso escolher, quer dizer então que o Rica se quiser pode começar a se sentir atraído por homem tbm, é só ele querer né?

    E não é o simples fato de se relacionar sexualmente com a pessoa do mesmo sexo, Rica. Isso eu sei que qq um pode escolher fazer. É se sentir atraído fisicamente, emocionalmente, é se apaixonar.
    Sabe esse sentimento que você tem pela sua mulher, por mais absurdo que isso seja na sua cabeça, é o mesmo que tenho pela minha namorada e como você bem sabe, você não escolheu se sentir assim, apenas aconteceu, né?

  5. Meus amigos vão me chamar de paranóica mesmo, mas eu acho que esse estardalhaço todo no caso do Vôlei Futuro só se deu porque foi a torcida do Cruzeiro. Se o Cruzeiro tivesse perdido e um jogador do time tivesse sido hostilizado como aconteceu com o Michael, certamente não estaríamos discutindo homofobia pq seria entendido como “um show da torcida”. Eu não sou a favor da homofobia, tampouco de qualquer forma de violência. Até porque nessa “escala da violência” eu estaria lá embaixo porque sou mulher e negra. Mas que fique de exemplo, que a lei valha para todos os lados.
    beijos

  6. Não entendo porque tanto bafafá contra a PL 122. A maioria argumenta dizendo que não é homofóbica, mas blá, blá, blá…Se realmente não são homofóbicos, essa lei não afetará em absolutamente NADA suas vidas. Em um mundo ideal essa lei nem precisaria existir, mas no mundo real precisa…e muito.

  7. vinigiacometti disse:

    Bem… Venho por meio deste concorda com uma coisa do Rica Perrone .. Se quer se gay, por mim, a nadega é sua.. Mas vc quer vilhar mulher faça que nem a Ariadna, corte fora.. Não há necessidade nenhuma de um Gay , se afeminar a nao ser que queria aparecer !

    • Vini, a questão não é tão simples assim quanto parece. Eu entendo que pra você, e acredite, muitos homossexuais, a travestilidade ou transexualidade é algo transgressor demais. O cara se veste de mulher não é para aparecer, para ofender. Ele “se veste de mulher” pois se sente bem daquele jeito. Da mesma forma que eu me sinto bem fazendo tatuagens, usando bermuda e camiseta, o cara se sente reprimido e precisa externalizar aquilo que sente. Você não se sente bem “vestido de homem”? Um ou outro podem se sentir bem “vestido de mulher”. É algo que não compete a ninguém além da pessoa que se veste desta forma. Tenho um amigo, heterossexual, que fique claro, que todas as suas babás, desde o berço, eram travestis. Nem por isso ele se veste de mulher, ou rebola por aí. Agora me diga: a travesti o influenciou de alguma forma? A unica forma de influencia que ela exerceu sobre o rapaz foi ensinar a respeitar o ser humano por baixo da roupa.

      O gay mais afeminado não força a barra pra ser afeminado. Ele se sente mais a vontade e não quer se enganar e/ou enganar os outros.

      • vinigiacometti disse:

        Bom nao sei, ja trabalhei com pessoas Homosexuais… Que voce nao diria que era .. Acho que dessa maneira nao incomoda ninguem todos respeitam, e nao ha problemas, mas desculpe qdo o “cara” vem falar que nem uma flor, fica dificil ate de ter uma amizade !

        • Peixe disse:

          Alguns homens homossexuais sao afeminados e outros nao.
          Essas pessoas estao agindo naturalmente, ninguem fica pensando o tempo todo “tenho que falar grosso/fino agora”, antes de falar cada palavra ou “tenho que fazer tal gesto” antes de fazer. Voce fica pensando?

          Porque é dificil manter uma amizade? O que “falar como uma flor” dificulta numa amizade?

          Por que isso te incomoda? Qual é o mal que isso te traz? Deteriora seu cerebro?

          Voce consegue manter uma amizade com uma mulher que “fale como uma flor”?

        • Concordo com Vinigiacometti .

          Do mesmo jeito que não gosto de um homem metido a machão do meu lado, não gosto de gay demasiadamente afeminado.

  8. Jeniffer Sales disse:

    Parabéns pelo excelente texto. Havia lido o post do sr. rica Perrone que até então respeitava, mas um cidadão que escreve uma porcaria dessas num dos maiores portais de notícias do país, não merece crédito nenhum e prova mais uma vez que a onda de reacionarismo está invadindo o Brasil…Lamentável!

  9. Victor Lima de Almeida disse:

    Não concordo com você! Porque você prega que não existe escolha em ser homossexual se todos se referem a isso como OPÇÃO sexual? Eu até entendo que o curso da sua vida, combinado com sua genética, pode te deixar propenso a ser atraído por alguem do mesmo sexo. Mas até onde vai meu raciocínio, é você que decide com quem vai se relacionar! portanto, trata-se de uma opção. Não julgo o texto do Rica homofóbico e não queria ter um filho gay, como também não queria ter um filho jogador de futebol ou amante do Iron Maiden. Porém, nenhum desses exemplos, caso aconteça, vai mudar o sentimento entre pai e filho. Acredito que o que o Rica disse foi nesse sentido. Quanto a punição ao time de Voleibol do Cruzeiro, acho uma grande hipocrisia. Isso acontece todos os dias nos estádios pelo Brasil e até pelo mundo a fora, como por exemplo nos jogos de basquete entre Flamengo e Brasília, que a torcida rubro-negra passa o jogo inteiro cantando: “Ei Alex, Vai tomar no cú!” e nem por isso ele se ofende ou tem punição ao Flamengo, pois no Brasil, essa é a cultura que temos no esporte, não sei se felizmente ou infelizmente, mas é assim.

    Eu acredito que para ser tratado como igual as pessoas devem se comportar como iguais. Infelizmente isso nem sempre acontece e não é só com homossexuais.

    Abraço

    Victor Almeida

    • Maha disse:

      Victor, veja bem, você está dando um salto IMEEEENSO entre “se relacionar” e “gostar de”. Eu escolho com quem eu me relaciono. É uma decisão racional. Já deixei de ficar com gente de quem eu gostava mas sabia que não era legal. Agora, eu não escolho de quem eu GOSTO. Aliás, minha vida (e a sua, tenho certeza) seria muito mais fácil se assim fosse.

      Gays não escolhem gostar de homens. Eles gostam e pronto. Tenho amigo gay que é de família militar. Tenho amigo gay que foi criado DENTRO da igreja. De onde vc acha que essas pessoas tiraram a OPÇÃO de gostar de alguém do mesmo sexo se tudo a sua volta dizia que isso era errado. Acontece.

      E que opção você deixa para essas pessoas viverem suas vidas? Se você diz que elas ESCOLHEM se relacionar com alguém do mesmo sexo, está partindo do pressuposto de que elas teriam a opção de NÃO se relacionar com pessoas do mesmo sexo. E que opção é essa? Castidade? Sim, porque eles não vão querer ficar com alguém do sexo oposto, né? Tenho amigos gays que namoram há quase uma década e tem, com seus parceiros, uma relação extremamente saudável e feliz. E aí? A escolha deles é ficar sem isso só para entrar num molde de normalidade imposto por você, pelo Rica etc?

      Você acha MESMO que tem o direito de falar “você ESCOLHEU se relacionar com outro homem/outra mulher, agora guenta. Foi uma decisão sua”?

      No que duas pessoas do mesmo sexo e se amam atrapalham sua vida? Por que você acha que os outros devem ter o direito de questionar essa felicidade? Vai pensando…

    • Há tempos já não é opção sexual, caso vc não saiba. É ORIENTAÇÃO sexual.

      Mas já que vc insiste q é opção, quer dizer que vc poderia ser um viadão é????? Noooossssa, bee, que coisa, não?!

      ahh, me poupe, né?

      pq, MEU PAI, alguém optaria por ser gay? pq alguém optaria em sofrer preconceito, ser assassinado nas ruas, ser sacaneado a vida inteira?!?!

      ô, gente, é só pensar um pouquinho pra sacar q não é opção coisa nenhuma! até pq os homofóbicos não OPTARAM em ser hétero, né? ou vcs um dia quiseram ser gays e optaram por não ser e eu não tô sabendo?!?! contae, gente!

  10. Manu disse:

    Eu queria saber escrever assim… Que inveja!
    Esse assunto é extenso e altamente polêmico, não condeno os homofóbicos, nem apóio nenhuma causa gay, muito pelo contrário! (rs)
    Gosto das polêmicas pois nos fazem pensar no mundo que vivemos. Tenho uma filhinha de 3 meses, e sinceramente, não gostaria que ela crescesse numa sociedade preconceituosa, racista. Que faz questão de apontar o “diferente”. Quem garante que daqui a X anos a maioria não seja negra, gay e pobre? Ah, pobre já é, né? rs

  11. Douglas Linhares disse:

    Cara… Não concordo com 101% do que você escreveu aí.

    Na MINHA OPINIÃO, o Rica está certíssimo nas colocações dele.

    O entendimento do texto dele está sendo deturpado por algumas pessoas, e acho que esse seja o seu caso. Ele não é contra homossexuais, e deixa isso claro a todo momento.

    Ele não gosta é de homossexuais que são espalhafatosos. Não tem nada a ver com dar ou não “o popô”. Tem a ver com a pessoa ser de um jeito que não o agrada. Assim como eu ou você não gostamos de alguns tipos de pessoas.. sei lá, por exemplo: Eu não gosto de gente que fala gritando. Simples assim!

    Sobre ter um filho gay, também não vejo como ofensa a colocação dele. Você já ouviu falar de sinceridade? ele está sendo sincero. É uma questão de gosto DELE. ELE, não quer ter um filho gay. E daí???? Isso é agredir alguém? Eu também não gostaria de ter um filho gay. Cada um tem uma opinião e um gosto. Isso não significa que eu odeie gays… Tenho amigos gays e não tenho nada contra eles.

    Acho que os homossexuais são discriminados SIM e sou contra isso, mas acho também que exageram muito em vários casos. Se querem ter os “mesmos direitos dos heteros”, têm que começar a agir de forma coerente para tal. É aquela velha história da pessoa acabar se auto-discriminando. Se o sujeito é viado/gay/homo/etc então seja e PONTO. Não fiquem procurando sarna pra se coçar, tentando achar pêlo em ovo.

    Quando alguém é homofóbico, destrata explicitamente os homossexuais. Não me refiro apenas à agressões físicas, mas às psicológicas também. O Rica apenas deu a opinião dele sobre o assunto e nada mais.

    É a mesma coisa que eu fazer um texto falando coisas como “Não gostaria de ter um filho que torça pro time XPTO”… quer dizer q eu ODEIO o time XPTO? Não existe isso.

    E outra: A questão da homossexualidade ser uma opção ou não, não é um ato de decisão empírica como você descreveu, tipo “Ah legal, vou ser viado!”… A opção é subjetiva.. é causada por acontecimentos, experiências e gostos que a pessoa tem/desenvolve ao longo da vida.

    Isso é uma opinião muito pessoal e vai de cada um… eu acho isso, já vc não… e assim o mundo cintinua girando. Mas realmente não acho que a pessoa nasce já gay. Pra mim a pessoa nasce “assexuada” psicologicamente e “sexuada” fisiologicamente. A tendencia é os dois aspectos se alinharem. às vezes, pelos motivos supra citados, eles não se alinham.

    Bom… é minha opinião. Não sou homofóbico e concordo com o Rica.

    abraços.

    • “Ele não é contra homossexuais, e deixa isso claro a todo momento. Ele não gosta é de homossexuais que são espalhafatosos”

      Primeiro que ninguém tá pedindo pra ele gostar ou deixar de gostar. E segundo que um homossexual afeminado não tem qualquer diferença de um homossexual que não é afeminado. Ambos merecem o mesmo tratamento e o mesmo respeito, não? Ou eu que tô ficando maluco em respeitar demais o ser humano? Você criar um rating de tratamento de pessoas é preconceito, e tão logo homofobia, de qualquer maneira. Releia o texto por favor, que eu acho que você não pescou o que EU quis dizer.

  12. Cesar disse:

    Eu concordaria com o teor do texto completamente. Achava que os gays que são afeminados assim eram por frescura.

    Resumindo uma historia longa, um dia minha namorada cismou de ir a uma casa noturna gay. Eu, que sempre me julguei anti-homofobia qto ricardo perrone, achei isso um absurdo. Mas ela convenceu a ir.

    Acontece, que la fiz amizade com gays. Comecei a perceber REALMENTE o q se passa na vida dos gays. E olha soh como o preconceito nao esta na gente: eu dizia frases como “po, nao tenho nada contra, tenho ate amigos gays”, ate q um dia um desses amigos me explicou o teor ofensivo da frase.

    Acho q o caso do Michael do volei futuro foi diferente, acho q a torcida soh queria desestabilizar um grande atleta adversario.

    Mas o fato é o seguinte: enqto a gente tiver que ouvir frases q iniciam com “ah, nao tenho preconceitos, tenho até amigos gays/judeus/negros/etc”, eh a clara demonstração de que existe mto a se lutar.

    Eu, que era daquela forma, pensava como meus amigos reagiriam se soubesse q eu tinha ido a boate gay COM A MINHA NAMORADA…

    Acho q o q tem q ser noticiado e q homossexualismo nao eh doença e que nao eh contagioso…

    Enfim, o post ficou gigante, parabens pela luta e espero que vcs vençam esse preconceito do Rica Perrone com argumentos e nao com ofensas!

    • Cesar, muitissimo obrigado pelo seu comentário. Mesmo. Você entendeu absolutamente tudo do texto. Tanto do meu quanto do Rica. Eu sei que o objetivo da torcida é desestabilizar o jogo e ofensas sempre existirão. E o que uma pessoa fala e parece não ser ofensivo, pode machucar e muito alguém. Obrigado por esse banho de civilidade.

      • Cesar disse:

        Olha a q ponto chegamos… No fim do post, vc me agradeceu a “civilidade”… Ou seja, chegou num ponto que o respeito tem que ser agradecido… Pqp!

  13. Larissa disse:

    essa história é tão surreal… o cara não só externalizou uma opinião completamente sem noção como continua insistindo que está certo, bloqueia quem critica, faz piada, e ainda acha absurdo um deputado (Jean Wyllys) retwittar uma mensagem de repúdio. Me admira muito uma pessoa que trabalha com internet (pq ele ganha dinheiro com o blog) achar que usar o twitter não é trabalhar (ele mandou o Jean ir trabalhar, pq paga o salário dele! – típico, deve ser aqueles que vai na escola do filho e culpa o professor pelas notas baixas, pq paga o salário dele). Não sei o que me assusta mais, se é o comportamento troglodita dele ou o povo que apoia.
    Estou torcendo MUITO para que a OlympiKus rescinda o contrato com ele, mas infelizmente vivemos no século XV e homofobia ainda não é crime… ainda é capaz da justiça dar razão às pessoas que estão ofendendo o tal jornalistão no twitter. triste.

  14. Larissa disse:

    *eu quis dizer dar razão ao Rica porque as pessoas estão ofendendo ele no twitter (ele já tá ameaçando o povo dizendo que vai processar).

  15. Marcus Andre disse:

    Ta ai mais uma prova de que os GAYS não sabem respeitar a opinião dos outros.
    Até agora todos que vieram com opiniões concretas e bem pontuadas sobre os 2 textos , não concordando com você e, no caso, o lado gay da história , você tentou rebater , menosprezar , mandando a pessoa ler o texto de novo como foi no caso do Douglas Linhares … e qualquer zé ruela que escreveu uma linha dizendo ”uhul gays é nois” vc foi la e agradeceu ao comentário.

    HIPOCRISIA TEM LIMITE !

    #ricaperrone

    • Eu também posso responder você, Zé Ruela.

      Eu pedi pra ele reler o texto. Não o ofendi como você disse. E eu aprovo todos os comentário por achar que todo mundo tem direito a falar e concordar e discordar. E eu também tenho esse direito. Então se você faz um comentário no meu blog (deixando bem claro, MEU blog), eu tenho o direito de rebater sua critica com o meu ponto de vista.

      Passar bem e fazer um cursinho de interpretação de texto que está te fazendo muita falta.

    • Tson disse:

      Marcus, há questões inegociáveis na vida. Civilidade é uma delas, deve se exigir de todos, sem restrições. Dizer que 5 mil pessoas têm o direito de encher um estádio para ofender um profissional pelo fato de ele não ser “macho” não está no universo das opiniões, está no campo da incivilidade. Sem contar que tudo aconteceu no mundo dos esportes, onde o fair play deveria imperar e ser defendido por quem escreve sobre o assunto, caso desse Rica Perrone. Ele defendeu – em um texto muito mal escrito, digamos a verdade – exatamente o contrário.

  16. Tson disse:

    Qual a dificuldade de conviver com o que é diferente? Por que todo mundo precisa ser igual? Por que, para ser aceito/respeitado, o gay precisa se portar como um heterossexual tosco (não, nem todos os heterossexuais são chulos) se porta?
    Tinha real esperança de que a globalização traria consigo um mundo mais cosmopolita, com gente diferente CONVIVENDO, e não se chocando. Conviver é ser cosmopolita, se isolar é ser provinciano. É isso o que essa gente que defende segregar pintosas é: provinciana. Mas sou um otimista e acredito que nossa geração será a última em que essa gente dará as cartas. Estão ficando obsoletos mais rápido do que a internet discada, e num futuro bem próximo ou aprenderão a conviver ou os segregados serão eles.

  17. Jorge disse:

    Deus criou Adão e Eva não Adão e Ivo

    Deve ser sensacional você homem, apresentar um meninão como namorado ou você mulher, apresentar uma amiguinha como namorada…..
    Orgulho para as mães e pais….

    • Camilo disse:

      Desculpe-me a iconoclastia Jorge. A estória de Adão e Eva é uma metáfora muito antiga, sem qualquer âncora na realidade ou embasamento histórico. Obvio? Ok. O que não é óbvio pra maioria das pessoas, e parece que você está incluído nisso, é que a homossexualidade é natural sim. Existe em todo o reino animal, mas se concentra principalmente entre os mamíferos. Nós como mamíferos que somos, exibimos diversos tipos de comportamento sexual, e isso desde muito antes da Bíblia, da própria escrita ou pedra lascada ter sido criada. Outra coisa menos óbvia é que 1 em cada 500 humanos nasce com duas genitálias, masculina e feminina, em diversos tipos de combinações de proporções e eficiência em termos de fertilidade. A verdade é que a comunidade médica ocidental ainda lida mal com isso e opera crianças logo após o nascimento, causando frequentemente confusão entre o físico/corporal e o desejo/hormonal. A natureza produziu e produz indivíduos dos mais diversos tipos e está pouco se lixando pros nossos restritos dogmas culturais. Há sociedades que aceitaram isso de forma mais natural. A nossa, judaico-cristã, ainda resiste em respeitar a mulher – e tudo o que se relacione com ela – e a lidar de maneira minimamente saudável com a própria sexualidade.

      Penso que pais democráticos, humanos e realmente desprendidos do próprio ego, não pensariam na sexualidade do filho ou da filha, seja qual for, como razão ou motivo de orgulho. Penso que levariam em conta caráter, humanidade e empenho na busca da própria felicidade.

    • Renata Costa disse:

      Orgulho SIM, mas apenas para mães e pais que se importam mais com a FELICIDADE de seus filhos do que a forma que eles se relacionam sexualmente, porque isso é problema de cada um.

      Orgulho SIM, mas apenas para mães e pais que se importam mais com o indivíduo que o filho se tornou do que o modo como ele faz sexo ou ama alguém.

      ORGULHO SIM, mas apenas para mães e pais que se preocupam apenas com a dignidade, honestidade de quem seu filho se relaciona e não se é homem ou mulher.

      e sobretudo, orgulho SIM, mas apenas para pais e mães que não foram vendados por bobagens religiosas, que sabem pensar com a própria cabeça.

      COM CERTEZA, não é o seu caso.

      • Jorge disse:

        To muito preocupado com sua opinião sobre mim!!!
        E repito:
        Deve ser sensacional você homem, apresentar um meninão como namorado ou você mulher, apresentar uma amiguinha como namorada…..
        Orgulho para as mães e pais….

  18. Adriana disse:

    Olha eu não sou homofobica, de forma alguma, mas as coisas estão de um jeito q tudo q vc fala, vcs ja dizem q é homofobia. Daqui a pouco ate se dizer heterosexual vai ser crime ou homofobia(contem ironia).De verdade João Marcio, vc acha q algum pai ou alguma mãe qdo esta esperando seu filho pensa, ai queria tanto que esse bebe fosse gay!!! Não né? E nem é pq os pais são homofobicos, pode ser talvez pq os pais saibam o qto seu filho vai sofrer. Agora se o filho realmente for gay não quer dizer q esses pais não vão ama-lo do mesmo jeito. A propria Alessia e Clara em uns dos Tricos q elas fizeram não lembro qual, qdo falavam de gays, ficou bem nitido q ja tinha gente dizendo q elas eram homofobicas pq faziam piadas de gay, eu e vc sabemos q elas não são homofobicas. Então o q eu quero q vc entenda q nem tudo é homofobia. É so uma opinião contraria a sua, ou so uma piada, eu sou loira e desde q me conheço por gente ouço q loira é burra eu entendo como piada. É assim mesmo sempre tem alguma coisa pra depreciar a gente, e so seguir e bola pra frente.

    • Rachel disse:

      “vc acha q algum pai ou alguma mãe qdo esta esperando seu filho pensa, ai queria tanto que esse bebe fosse gay!!! Não né? E nem é pq os pais são homofobicos, pode ser talvez pq os pais saibam o qto seu filho vai sofrer.”

      Não sei se vc é mãe, mas eu, como mãe de dois meninos, vou te contar o que a gente espera pruma criança quando se está grávida: que ela seja feliz, que ela venha com saúde.

      E sobre os pais “talvez saberem o qto @ filh@ vai sofrer”, opa, tamos ai pra mudar isso, viu? Pq ser gay só significa sofrer pq a sociedade ainda dá voz à bolsonaros e perronis e afins.

      E sabe? Eu se loira fosse, não aceitaria piada não. Vai depreciar a vovózinha, amigón. Existem dois tipos de peddoas: as que aguentam opressão caladas e dão risadinha e “ah, tudo bem, era só uma piada, riririri, eles são assim mesmo, ah! esses meninos” e as que se Movem.

      Agradeça à essa gente que se MOVE por vc hj em dia poder trabalhar no que quer, se casar com quem quer, votar. Pq não faz muito tempo, eu e vc APANHARÍAMOS só por queremos expressar a nossa opinião.

      BJS

  19. Danielle Santos disse:

    Bom, apoio totalmente o texto… mas com relação a essa questão de “não querer ter um filho gay”, acho que entra na coisa de proteger seu filho de futuro preconceito, possíveis espancamentos na rua, humilhação, etc. quero acreditar que entra nesse sentido, proteção.
    pq se for no sentido “aceito, mas na minha casa não” realmente inviabiliza a amizade.

  20. Danielle disse:

    “Deus criou Adão e Eva não Adão e Ivo”

    deus não devia ter criado a aberração que inventou isso.

    • Jorge disse:

      MAs Deus criou essa aberração…
      Legal é ver 2 barbados se beijando….
      Vai te catá…….

  21. Lucas disse:

    Não sou de acordo com 2 coisas neste mundo: PRECONCEITO e HOMOSSEXUALISMO! Opinião cada um tem a sua. O Perrone deu a dele, você a sua. Respeite!

  22. você é sensacional.

  23. Vanessa Affonso disse:

    Eu estava assistindo uma palestra ontem sobre relações humanas e responsabilidade social e enquanto o palestrante falava eu só pensava nessa polêmica, gerada pela infeliz opinião (na minha opinião) emitida pelo Sr Rica Perrone.
    Confesso que parte de mim concordava com o Sr Rica, mas a outra parte o odiava profundamente. E vejam, eu não sou gay, portanto a parte de mim que o odiava nada tinha a ver com orgulho ferido ou dor de cotovelo. A minha parte doída é aquela que acredita que tudo poderia ser melhor com respeito.
    Existem coisas na vida que são indisponíveis. O direito de ser respeitado é uma delas. Ou existe alguém que não se importa em ser hostilizado pelo simples fato de ser direito do outro o hostilizar? Acho que não, né?
    Assim como o João Márcio, entendo a opinião do Rica (e é nesse ponto que concordei com ele) no que diz respeito à hostilidade em competições, que isso sempre existiu e sempre existirá, tendo em vista que o objetivo é desestabilizar o adversário. Mas daí a dizer que a torcida adversária tem o direito de hostilizar e/ou ofender um atleta pelo fato de ele ter assumido a sua sexualidade, que só por acaso é diferente do que a maioria acha “normal” está mais para falta de humanidade mesmo.
    Inúmeros jornalistas esportivos e comentaristas de renome lutam e clamam por paz nos estádios, por disputas saudáveis (Fair Play, lembram?). É tão neanderthal alguém entrar na contra mão disso e pregar totalmente o contrário.
    Não vou entrar no mérito da homofobia, ou não, do Sr. Rica, porque francamente não acho que valha a perda de tempo. Mas não dá pra deixar de emitir opinião (indignação) quanto à falta de respeito pelo ser humano. Afinal, jornalistas assumem por obrigação, intrínseca à sua profissão, a de formadores de opinião e não de formadores de ditadores/segregadores.
    Todo mundo tem direito a ter sua opinião. Mas o direito de um termina onde começa o do próximo. Simples assim.
    Não sejamos ingênuos em acreditar que nossos discursos igualitários mudarão a mentalidade e a opinião alheia, e que as manifestações preconceituosas deixarão de existir. Mas cada vez que uma opinião ofensiva for emitida, automaticamente, gerará o direito de resposta e é justo que esta resposta seja: Era melhor ter ficado calado.
    Rezemos para que os preconceituosos no geral tenham apenas um filho (nenhum, seria melhor). E se tiver um, tanto faz se for hetero, homo, bi… Oo que importa é que não sirvam de modelos para mais que um “preconceituozinho” futuro (de novo, o ideal seria não ter filhos).

  24. Olá, João! Tudo certinho? Que tudo esteja 100% com você!
    Encontrei o seu blog e vim fazer uma visitinha!
    Simplesmente magnífico o post. PARABÉNS.

    Ontem, aderi ao projeto: ‘Eu Sou Gay” projetoeusougay.wordpress.com

    Aliás, na minha página do facebook, escrevi:

    “EU NASCI GAY! E tem mais, dentre os meus amados amigos, os com mais atitude de macho [ leia-se: decisão ] são os gays! DITO!”

    Também sou ‘japonesa’ pois doi em mim a dor que o povo da terra do sol nascente sofre, depois do tsunami.

    Também diria [se estivéssemos em 1888, na época da abolição] que sou escrava, pois entitular-me: ‘aboliionista’ pareceria-me pouco.

    Tem sido tristíssimo ver que o exercíco de: “respeitar as diferenças”, tem sido o mais árduo que nossa Humanindade enfrenta.

    Agora, vou apresenta-me:

    [Sou expatriada] Sai do Brasil em 2000 e fui para os USA estudar na Harvard, onde estudei até 2002.

    Desde 2003, moro na Holanda – sou casada com um holandês.
    [O choque cultural existe e acaba sendo benéfico – de uma maneira ou de outra -. Sou da opinão que existem coisas boas e ruins em qualquer lugar do planeta! Nós é que temos que ressignificá-las à nossa moda!]

    Será uma alegria se visitar o meu cantinho virtual, que é: http://josanemary.wordpress.com/mevrouw-jane/

    E será uma outra alegria, se quiser ler o prefácio do meu livro: Mevrouw Jane (o prefácio não foi feito por mim, mas por um outro escritor, um já reconhecido no mundo literário).
    Se gostar – ou não – por favor, deixe um comentário; vou adorar ler a sua opinião!

    Tenha um ótimo dia!
    Grande abraço, daqui da Holanda.
    Josane Mary

  25. Esse pseudo jornalista Perrone sempre fala umas bobagens. Mas se releva, afinal, ele é da globo e todo mundo que é da globo e faz merda somente ameniza.

    Quanto ao texto concordo, porém discordo quando vc diz que é uma ofensa aos gays dizer que ‘não quero ter filho(s) gay(s)’. Pois, apesar de ser uma ideia de homofobia, é um direito pensar assim, só que a pessoa deveria formular diferente a frase e dizer: “se fosse pra escolher, que ele seja hetero”, ou seja, dando margem à possibilidade de que ele seja gay e isso seja respeitado.

    Abraços http://www.pensativoeopinante.wordpress.com

  26. Ramon disse:

    Boa tarde,

    Não concordo com seu ponto de vista João. Meu post não tem intuito e muito menos irá fazer você mudar de opinião e vice-versa, mas acho interessante o debate e aqui estou.

    Eu não acho o fato de alguém NÃO querer ter qualquer tipo de relacionamento com um homossexual (de qualquer tipo) seja preconceito, é apenas um direito de escolha; Você pode escolher ter relacionamentos com usuários de drogas OU não, com pessoas que ouvem gospel OU não, com torcedores do seu time rival OU não, o que difere e muito (e acho que esse ponto é onde muitas pessoas não compreendem bem) de tratar a pessoa mal.

    Relacionamentos são baseados em respeito, companheirismo e AFINIDADES, e muitas vezes algumas diferenças (musicais, sexuais, religiosas, financeiras ou quaisquer outras que possam ser incluídas aqui) são OU não fator determinante na escolha das pessoas.

    Eu não posso julgar você ou qualquer outro que queira ter amizades com gays (por exemplo) da mesma forma que não posso ser julgado por não ter, afinal é escolha, escolha sua de ter, escolha minha de não ter…Tão simples, mas que gera tanta polêmica.

    E infelizmente, em nosso país o problema não é tratado em sua raíz, pq ao invés de cotas para carentes, negros e gays, não se faz uma revolução no ensino público, gerando qualidade? Assim, após o segundo grau todos, sejam brancos, índios, negros, gays, heteros, pobres ou ricos poderão competir de igual para igual, pois o conhecimento foi dado a todos, e o mais importante, com qualidade.

    Sinceramente, não acho justo prefeituras doarem dinheiro para “Parada do Orgulho GLTB”, bem como não acho justo doar dinheiro para “Carnaval”, tem-se e muito o que fazer com esse dinheiro, em areas mais criticas, mas essa é apenas minha opinião, não quero impor, apenas compartilhar.

    Muitas vezes, a sensação que nos é passada pelo público GLBT é a de que eles querem impor a sua escolha, impor um tratamento diferenciado (atente que digo de maneira generalizada, há casos que se enquadram como os que não). Talvez essa sensação é que gera essa revolta em alguns.

    Talvez, quando alguém diz “eu não quero ter um filho gay” possa estar pensando no bem estar do seu filho (a), no âmbito de torcer para que seu filho (a) não entre para um “grupo” da sociedade que sofrerá desde a mais tenra idade até a sua morte, pode ser fator de proteção. Bem como, não serei hipócrita, há os casos em que se deseja isso para que o filho (a) não seja a florzinha ou a mulher macho (casos de preconceito e repudio ferrenho).

    Eu já vi, em minha cidade homossexuais destratando pessoas pobres, humildes. E são as mesmas pessoas que saem as ruas bradando por igualdade, pelo fim do preconceito, é ridículo isso.

    Também já presenciei em uma praça famosa daqui, um grupo de gays, ao passarem em uma praça onde estavamos (em casais hetero), conversando e trocando beijos (nada espalhafatoso, pois acho que hetero ou homo, determinadas carícias devem ser feitas em ambiente privado e não em público).

    Então, ao passarem por nós, um dos individuos apontou e disse “que nojo”. Agora me diga, vou bater? Vou processar? Vou lavrar um B.O? NÃO! Mas ai pergunto, e se fosse o contrário? E se fossemos o grupo transeunte e eles o grupo no banco da praça? Ai seriamos os homofobicos, os preconceituosos, intolerantes, passível de outras medidas por parte deles… Se essa é a igualdade que eles buscam, sinceramente, estão no caminho errado.

    Como vou cobrar igualdade se eu pratico a desigualdade (alguns gays deveriam pensar nisso)? Claro que é uma generalização e novamente digo que não são todos os que o fazem, deixo isso claro para que ninguém possa me compreender de maneira errada.

    O casal homo quer ter filhos? Ok é um direito querer ou não ter filhos, mas antes desse seu direito de querer ter, tem-se que pensar no bem estar e no futuro que essa criança irá ter (e isso tb se aplica a casais hetero sem a menor estrutura e que colocam filhos no mundo). Se formos nos basear com o presente, essa criança será mais infeliz do que feliz…

    Não por causa dos dois pais, ou das duas mães, mas sim pelo o mundo que a cerca, essa criança será alvo de zoações e as vezes até agressões durante toda a sua vida escolar e talvez até depois dela.

    Talvez, quando se negue o pedido de adoção à um casal homo, penso eu, que isto é observado e demanda um grande peso.

    Nós (de uma maneira geral) ainda não estamos preparados para aceitar, compreender e em alguns casos respeitar grandes diferenças. Felizmente ou infelizmente é assim. Talvez num futuro mude, e muitos de nós não estaremos mais aqui para ver….

    E por último, li um comentário de uma pessoa que citou exemplos de gays oriundos de familias militares e religiosas. O que posso falar disto é que pode influenciar o direcionamento da vida pessoa? SIM! Mas não se aplica em todos os casos, é comum ver filhos de cristãos seguindo outras doutrinas não cristãs, bem como filhos de militares as vezes até envolvidos com a criminalidade. A familia dá a base, o filho nem sempre segue.

    Bom é isto. Deixei registrada minha opinião.

  27. Sueli disse:

    Meu amigo, voce veio de uma buceta, ira pra debaixo da terra ou sera icinerado e vai virar cinzas, ou vermes.
    Que merda de diferença faz o que cada um faz da sua vida, desde que não te prejudique? Porra, ajude pessoas, salve vidas, doe sangue, tanta coisa boa pra fazer.
    É essa a resposta que eu tento encontrar. Não pode ser tão complicado, não nos dias de hoje.
    Crianças morrem de fome, violentamente, não ha mais educação, o amor esta quase em extinção, e voce aí, seu babaca, ta se preocupando se o cara é viado ou gay? Isso não faria diferença pra voce, babaca, se voce o visse como
    o ser humano que ele é.
    Tenho um filho de 7 anos e sinceramente, não me preocupo com o que ele fara com a bunda dele. Me preocupo em dar a ele muito amor, muita educação, faço questão de frizar sempre pra ele o quão importante é RESPEITAR as pessoas, ter amor no coração.
    Aí o bacana não quer que o filho dele seja gay, pq provavelmente ele queira netos. Então, daí que seu filho gay pode amar um cara, ser muito feliz ao lado dele e ADOTAR
    uma criança, que precisa de amor e carinho como qualuqer outra. Taí seu neto, babaca! Esse é apenas um exemplo.
    Ja esta ficando hiper cansativa essa discussão. Sempre a merda do preconceito, da intolerancia, ganhando espaço.
    Lamentavel.

    • Thais disse:

      Será q falando nessa linguagem as pessoas entendem? Pq ter toda aquela paciência em explicar parece q não funciona.

  28. Ramon disse:

    Sueli, se vc quer bradar tanto por respeito, poderia dar o exemplo, e respeitar quem tem opinião divergente da sua.

    Um abraço

  29. Eduarda disse:

    Pessoal, onde está a liberdade de expressão., Duvido que todos os que estão falando, nunca contaram ou riram de piadas de loura, português, etc, e até mesmo de gays. Acho que o jeito agora é contratar um advogado assim que nasce, porque não se pode mais falar, pensar, brincar. Qual é, ninguém tem mai so que fazer em vez de ficar medindo palavras. Um dia uma pessoa falou para uma criança: você acordou parecendo um espantalho. ela respondeu: problema meu. Virou as costas e foi brincar. Não se preocupem, ela já cresceu e não precisou de psicólogo. Na verdade, acho que precisamos e sermos seguros daquilo que pensamos ou achamos. De resto é conversa fiada. Mas também cabe o direito de espressão. Ataque físico é outra história. Ataque verbal, nós deveríamos ser treinados a não levar em conta. Perde-se muito tempo com isso.

  30. caio disse:

    oi,sei que ja faz algum tempinho q esse artigo foi post,mas agora que que pude procurar,pesquisar e ler. Sofri uma agressão verbal de uma colega de trabalho;melhor dizendo:ela me chamou de “viado”; e me senti tão acabado,fiquei super chateado ,até chorei em casa… Sou gay sim…mas é tão constrangedor”viado” vir da boca de uma colega d mais de anos…sua publicação me fez acalmar,pensar e se possivel gostaria de receber algumas palavras de conforto…obrigado pela atenção abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: