Arquivo para março, 2011

Esse liberalismo não tem limites!

No post sobre Jair Bolsonaro recebi uma quantidade incrível de comentários. Inclusive agradeço imensamente pelo barulho feito. Ficamos entre os 100 posts mais lidos no mundo (no mundo de WordPress, mas ainda é um mundo). Nós ficamos. Todos nós que não suportamos essas manifestações de preconceito. Aprovei todos que recebi, salvo os SPAMs.  Hoje, 31 de março de 2011, recebi este comentário de uma senhorita chamada Samantha. Não faço ideia de quem seja, mas achei bastante curioso seu apontamento sobre Jair Bolsonaro. Sinceramente não entendi se ela foi irônica num nível tão absurdo que eu não alcancei (então, meus parabéns) ou se foi apenas uma gota no oceano de 120 mil votos do futuro ex-deputado. Gostaria de compartilhar com vocês:

“Bolsonaro expôs a opinião dele, assim como vocês são sempre tão vocais na expressão de seus direitos. E outra: Se não quer ouvir, NÃO PERGUNTE!!! Graças a Deus ainda moramos num país onde se pode criticar e ter opiniões. Na sua cartinha você acusa o Deputado de “nazi-fascista” mas quem está impondo uma censura de opinião é você, meu caro.

Um político expressa a sua opinião e o rebuliço está formado. Tenha santa paciência!!! Se bobear, é capaz até de isso gerar uma revolução! Agora: cadê essa mobilização quando Mensalões são desmascarados? Quando qualquer tipo de corrupção vem á tona? Pelo menos nunca ouvi desse Deputado (Bolsonaro) estar envolvido nos escândalos que REALMENTE definem o caráter e a podridão da política brasileira.

Olha, vocês que me desculpem, mas pra mim, o mais triste disso tudo é ver como o homossexualismo tem se tornado algo tão normal, tão natural, tão correto. A IMPOSIÇÃO da aceitação desse desvio sexual especialmente pela mídia etc, está cada vez maior e isso é realmente MUITO triste… Ainda não tenho filhos, mas temo pelo mundo em que eles viverão. Pra onde irão os valores de FAMÍLIA -> PAI e MÃE (MACHO E FÊMEA) e filhos??

Meu Deus…. Ainda bem que ainda temos alguma representação resistente à esse liberalismo sem limites. É o mundo chegando no fim MESMO!!!”
Ok, então vamos por partes. É muita informação reacionária pra pouco parágrafo.

Primeiramente, muito obrigado por vir até meu blog e deixar tão amável comentário. Já pode se orgulhar e colocar no currículo. Sim, Bolsonaro tem todo direito a utilizar de sua opinião, por mais equivocada que seja, da mesma forma que eu tenho direito a me expressar sem sua interferência. Se o Brasil hoje é um Estado democrático, onde todos podemos expressar nossas opiniões, não agradeça a seu candidato Jair Bolsonaro. O rapazinho não estava do lado da liberdade de expressão em 1968, quando foi instaurado o AI-5. Há que se lembrar que a televisão no Brasil, não sei se é de seu conhecimento, é uma concessão pública. Ou seja, mais um fator pesando contra o ex-militar. Isso sem contar o poder de penetração de algo publicado numa emissora de TV versus algo escrito num blog gratuito como o meu. Isso sem contar que eu tenho a obrigação moral, como eleitor brasileiro, de fiscalizar o trabalho dos políticos do Brasil. Jair Bolsonaro falou algo que me ofendeu, não apenas quanto a homossexualidade, pois sempre soube de sua visão retrógrada e nazi-fascista (continuo sustentando minha opinião), mas sua declaração misógina e racista. Obviamente Jair Bolsonaro, num programa de televisão, tem muito mais repercussão do que este pobre blogueiro.

Não podemos criar um reboliço em cima da opinião de um politico? Temos que nos calar e engolir a seco todo tipo de absurdo? Quem está censurando quem aqui, minha nobre comentarista? Eu, por expressar minha indignação face às declarações de Jair Bolsonaro, ou você, por recriminar minha opinião? E nem precisa dizer que estou censurando sua opinião com este texto. Muito pelo contrário. Estou dando a você um destaque que não ofereci a qualquer outro comentário e estou expondo minha opinião, afinal, meu direito.

Eu acharia excelente caso esse comentário do Bolsonaro gerasse uma revolução. Não. Pensando bem, isso não geraria uma revolução. A revolução já está acontecendo e você não percebeu. Isso sim é revolução. Dar voz a qualquer imbecil, como eu. O que Jair Bolsonaro propõe não é revolução. É ditadura. O ilustre Deputado Federal propõe, inclusive, a esterelização das classes mais baixas. Revolucionário seria dar dignidade a essa gente, como o Governo Lula, tão criticado por seu “Bolsa Familia”, que por mais que você direitista odeie, tirou milhões de pessoas da completa miséria. É o ideal? Não. Acredito que não. Mas todo brasileiro tem direito a dignidade, independente de sua condição social, etnia, cultura, orientação sexual, religião e outras coisas que usamos pra separar uns dos outros como se fossemos coleta seletiva. Quando vamos compreender que, por exemplo, antes de ser branco, gay, obeso, neto de nordestino, agnóstico, estrábico e fumante, sou brasileiro, sou humano, sou digno de respeito? Respeito e igualdade vão muito além de setorizações. Eu não preciso ser negro para me revoltar com um ato racista como do Deputado Jair Bolsonaro. Eu não preciso ser judeu para me revoltar com o genocídio. Acima de qualquer coisa prezamos a liberdade. A própria bíblia, se não me engano, cita algo sobre Livre Arbítrio, não?

O brasileiro médio tem uma incrível mania de justificar um erro com outro. Aquela famosa máxima do eleitor malufista que diz “rouba, mas faz”. Corrupção é crime? Sim. E acho que todos se revoltaram o bastante com o mensalão em sua época e o debate foi bastante amplo. Agora é hora de pedir o julgamento. Muitas das acusações não foram comprovadas, mas isso não faz o crime ser menos feio. Todo corrupto deve ser julgado e condenado, como todo brasileiro que comete qualquer tipo de crime. Inclusive o crime de racismo. Não é porque Jair Bolsonaro não tem envolvimento comprovado com algum esquema de corrupção que ele se torna invencível e digno de falar todo tipo de asneira. Como se roubar fosse um crime maior que matar. Pois preconceito mata. Basta ver as tantas manifestações de homofobia e racismo que temos nesse país onde jovens são assassinados brutalmente por outros jovens neo-nazistas que espancam até a morte unicamente porque fulano “é de cor” e beltrano “parece viado”. A quem interessa com quem eu durmo e/ou pretendo constituir familia? O que me torna superior a uma mulher negra? Ser preconceituso define tanto o caráter de alguém quanto ser ladrão. Ambos são criminosos.

É triste mesmo ver como a homossexualidade (nunca homossexualismo, tá bom, amor?) tem se tornado algo normal e aceitável. Acho mesmo um absurdo. Por que isso é completamente normal e aceitável e já deveria ter se tornado normal e aceitável há muito tempo. Ou melhor, não existe qualquer razão lógica para o amor entre duas pessoas ser considerado anormal e inaceitável. Não existe imposição quanto a aceitação da sexualidade alheia. É algo alheio a você. Você não precisa nem tomar conhecimento. Muito triste mesmo é ver uma pessoa se limitar a seu mundo umbilical.

Sorte da senhorita que não tenha filhos. E espero que não tenha. Não gostaria de ver sua filosofia ser propagada, mas como nada posso fazer para evitar, afinal existe aquele livre arbítrio que citei e a lei proposta por Bolsonaro para a esterilização ainda não foi aprovada, anuncio que existe uma enorme, gigantesca, nababesca probabilidade do seu filho fazer você rever seus conceitos arcaicos. A próxima geração vem pra quebrar conceitos da nossa geração. E todo turrão tem um “filho problema” para amargar a família. Você não fugirá a regra. Até seu ídolo tem a decepção da família pelo que andei apurando, mas não posso jogar bosta no ventilador por responsabilidade jurídica.

É um pensamento muito mesozóico qualificar o ser humano como macho e fêmea. Não somos bichos. O cristianismo prega que não viemos dos macacos, tão logo, não somos macho e fêmea. Somos racionais e não animais que fazem sexo unicamente pra reprodução. A maioria faz sexo por oportunidade (quanto tem uma oportunidade, vai lá e faz, sabe-se lá quando teremos outra, não é mesmo?). Se fossemos meramente macho e fêmea fariamos sexo pra reprodução e estariamos até hoje arrastando mulheres pelos cabelos. O conceito de amor é algo criado por nós. Acho impressionante alguém que diz que Deus é amor pregar contra o amor. É como lançar bombas pela paz. Você pode até basear sua homofobia em escrituras bíblicas, mas releia todos os testamentos (são quatro, não precisa de muito tempo pra ler) e você perceberá que Jesus Cristo, o filho de Deus, aquele que veio a Terra para nos salvar, em momento algum recrimina a homossexualidade. Todas as citações a homossexualidade vem em livros que não contam com esse feat. Jesus Christ. É lógico que a Igreja, seja ela qual for, jamais “permitirá” a homossexualidade. Não é lucrativo. Aprenda que gente é investimento a longo prazo. Quanto mais gente no mundo, mais renda qualquer instituição terá, seja uma igreja ou uma padaria. Se homossexuais teoricamente não podem ter filhos (como se adoção e inseminação artificial não fossem possiveis), tão logo não gerarão renda futura, e automaticamente, essa ou aquela instituição deixará de se enriquecer. Não parece óbvio? Este motivo também se aplica a métodos contraceptivos. Não é Deus no comando. É dinheiro.

Há algum tempo era impensável existir religião, em seguida tornou impensável que existisse mais de uma religião. Muitos países ainda vivem assim, sem o respeito a religião do outro. Basta ligar qualquer noticiário mequetrefe.  Acredite se puder, teve época que quem dissesse que a Terra é redonda ou que o Sol é o centro do universo custaria a vida. Houve período que o cristianismo matava em nome de Deus. Lembre-se que até algum tempo atrás, o que historicamente significa ontem a noite, negros não eram considerados sequer gente. Índios também não. Mulheres não tinham qualquer tipo de direito e eram tratadas como uma sub-espécie humana. Acredite, nos padrões de família que tinhamos, mulheres não trabalhavam, eram completamente submissas e nem sequer tinham direito ao voto. Esse liberalismo não tem limites mesmo, né? É o fim do mundo mesmo!

Obrigado pela visita ao meu blog, volte sempre e me dê mais pautas deliciosas como essa. Atenciosamente, a Gerência.

É Fantástico! *fueeen*

No último domingo foi ao ar a entrevista que dei a Renata Ceribelli na semana anterior ao Carnaval. Obama veio pro Brasil, metade do Japão foi pro espaço num terremoto e só agora que a matéria teve espaço na grade. Bem, fiquei surpreso por não aparecer no Fantástico numa câmera escondida, ou numa silhueta com voz de pato e muito menos com algêmas nos pulsos.

Com o clima tenso do post anterior (inclusive, muito obrigado aos 5.000 acessos em menos de 24 horas), resolvi kibar a Carolina Mendes, autora de um dos melhores blogs deste país, o ‘Carolina, Minha Filha”, e coloquei lindas legendas nos screenshots enviados gentilmente pelo Victor Marques. Podem me sacanear a vontade.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Carta aberta ao Deputado Jair Bolsonaro

Caro futuro ex-deputado Jair Bolsonaro,

Espero, sinceramente, que você leia esta carta e já esteja muito longe do poder.  Por isso me recuso a usar qualquer pronome de tratamento com você. Até porque, bem na verdade, o senhor não merece qualquer tipo de tratamento diferenciado, afinal, defende que não existam diferenças, uma vez que a constituição brasileira é igual para todos, não é?

Fere meu orgulho de ser brasileiro ver alguém como o senhor representando o meu estado do Rio de Janeiro em Brasília. Fere, primeiramente, por ver que o senhor está no poder há vinte anos sustentando o mesmo discurso nazi-fascista. O senhor, deputado, não defende os valores da família. O senhor defende tudo que há de mais errado na nossa sociedade. O senhor defende o preconceito, o desrespeito, o desprezo e a violência. São seis mandatos consecutivos propagando o ódio.

É, no mínimo, revoltante ver que alguém como você, que está na Câmara dos Deputados representando o povo brasileiro, tenha esse tipo de discurso. Será que o povo brasileiro é um recorte do seu comportamento? Será que o povo brasileiro concorda em não entrar em um avião pilotado por um aluno cotista? Será que o povo brasileiro pediria ao médico, antes de qualquer procedimento, que desse uma prova de que não é cotista? O que o senhor, em vinte anos como deputado federal, fez para reverter a necessidade de cotas raciais ou sociais? Quanto o senhor já gastou de seu tempo modificando as políticas sociais do país e pedindo melhorias na educação? Acho que o senhor estava ocupado demais pescando com seus filhos e posando para seu site com um belo uniforme militar para se preocupar com suas reais obrigações com o país.

Jair, entenda, se hoje o Brasil está “desse jeito”, como o senhor reclama, a culpa é única  e exclusiva do processo ditatorial que passamos por anos nestas terras. Ou seja, se hoje existe o desrespeito a familia, e pessoas precisando “levar uma boa surra”, a culpa é sua. A culpa é do silêncio que seus amigos propagaram no país. Esse grito que fazemos todos os dias nada mais é que o trauma pelos desprezíveis anos que passamos sob o jugo da censura e da tortura.

O senhor diz que não tem filhos gays porque os deu uma boa educação e sempre esteve presente na infância deles. Ora, deputado, acredite, meu pai me deu uma educação exemplar. Coisa que muito me orgulho. E sempre foi presente. Sempre foi preocupado com minha educação e sempre esteve ao meu lado. Meus pais são casados até hoje, sempre vivi num lar de cultura hetero-normativa como o lar que o senhor propõe a toda familia brasileira, e curiosamente, sou homossexual. Talvez meu pai não tenha sido tão presente quanto o senhor. Talvez porque ele precisava ter dois empregos enquanto a ditadura estava no país. Talvez porque meu pai nunca ganhou pensão como militar, nunca ganhou décimo-quarto e décimo-quinto salários e outros benefícios. Talvez porque meu pai precisou esconder seus ideais quanto tinha a minha idade, pois teve centenas de amigos presos e torturados, muitos deles, desaparecidos até hoje, enquanto o senhor se esbaldava no manjar da ditadura militar. Perdão. Durante o governo militarista, fruto da heróica revolução de 1964. Saudades do Geisel, não?

Deputado, acredite, nós homossexuais não queremos ser “tolerados”. Tolerar é muito pouco. Queremos que o discurso do senhor, que a constituição é igual para todos, seja válido. Queremos ter os mesmos direitos que o senhor. Queremos poder casar, queremos nos divorciar, queremos ter direito a pensão, direito visitas íntimas quando um companheiro estiver preso, e tudo mais que o senhor desfruta hoje e eu não. Já disse Saramago: “Tolerar a existência do outro e permitir que ele seja diferente ainda é muito pouco. Quando se tolera, apenas se concede, e essa não é uma relação de igualdadade, mas de superioridade sobre o outro. Deveríamos criar uma relação entre as pessoas da qual estivessem excluídas a tolerância e a intolerância”.

Não, Jair. A nação não ruirá com os valores familiares do séculos XIV caindo por terra. As estruturas familiares hoje vão muito além das aparências que o senhor sustenta. Hoje o Brasil conta com um incrível número de mães solteiras, casais divorciados e casais homossexuais, com seus filhos, e outras tantas estruturas familiares que vão muito além dos adesivos de familia feliz colados nos pára-choques de carros. Nem por isso nosso Estado está arruinado. Pelo contrário, aqueles que lutaram contra a ditadura que o senhor apoiou e brindou a morte de tantos, trouxeram um país muito mais próspero. A fase mais próspera da economia brasileira.

Dentre todas suas declarações, todas extremamente equivocadas, a que mais me choca é ver a sua opinião sobre ter uma nora negra. Receber uma mulher negra em sua família é um ato promíscuo? Em sua resposta a Preta Gil, filha de um exilado político da Ditadura, mulher e negra, o senhor desrespeitou, em uma única frase, três setores da sociedade. Qualificar a paixão como falta de educação foi um duro tapa na cara. Por mais que muitos tenham boa vontade e acreditem que o senhor não entendeu a pergunta, ou que a edição tenha prejudicado, eu acredito sim que o senhor acredite que uma mulher negra, filha de rebeldes da ditadura militar, seja uma promiscuidade. Isso é uma ofensa a todos aqueles que se solidarizam com as vítimas da ditadura, com todas as mulheres e todas e todos os negros deste país. Acredite, é bastante gente. Muito mais que os militares que o senhor defende. Muito mais que os míseros 120 mil eleitores que o senhor conquistou em 2010.

Não, Jair Bolsonaro. O senhor não me representa. O senhor representa apenas os equívocos que esse país já cometeu. Representa o retrocesso. Representa a necessidade de cotas, que o senhor tanto critica, representa a escravidão, o silêncio, as masmorras e todas as atrocidades já cometidas nesse país.

O senhor, futuro ex-deputado Jair Bolsonaro, representa tudo que o Brasil hoje mais abomina. E todos os 120 mil eleitores que o colocaram em seu sexto mandato são totalmente responsáveis por esse grotesco show de horrores protagonizado em nossa recente democracia. Irônico um ex-militar que apóia e se diz saudosista da ditadura depender tanto da democracia pra viver,  não?  São 120 mil pessoas que pregam o racismo, a homofobia e a misoginia. Espero, do fundo do meu coração, que o senhor leia isso. E não quero nada além de esclarecimento ao senhor. Jamais desejaria tortura ou a morte a alguém como você. Você merece a tortura pessoal e psicológica de ter um dia usar sua língua como seu chicote.

Atenciosamente

João Márcio Dias de Alencar.

A gente não quer só comida, a gente quer iPad

No início do ano (como se já estivessemos em dezembro), Dilma mostrou interesse em que os Tablets como iPad fossem popularizados no país, bem como a banda larga. Deus tenha pena do Orkut que vai virar essa espelunca.

FICA, VAI TER IPAD

Apesar das críticas, principalmente dos MacLovers, que se acham superiores em sua máfia hi-tech elitista, essa ação vai muito além de distribuir tablet como se fosse churro em quermesse.

O click me deu ao reassistir o excelente documentário “Beyond Citzen Kane” (se você nunca viu, enfie dois dedos no seu cu) e percebi que o Brasil retratado ali não é o mesmo de hoje. Não porque nos tornamos mais bonitos e nossa inflação está sob controle. Mas o foco principal é que a mídia hoje não se prende unicamente a TV Globo. Majoritariamente sim, mas unicamente não.

A principal responsável pela queda na audiencia em todas as emissoras de TV (o Jornal Nacional de 1989 dava 60 no Ibope e hoje dá a metade) foi a Internet. Esta linda conexão, que trouxe você até aqui, mexeu, e muito, no trono que a televisão tinha em nossas salas. Observe a sala da sua casa. Perceba que todos os móveis estão organizados de modo que fique mais confortável assistir a televisão. Isso quando você não possui mais de um televisor em casa. Eu tenho uma tia que tem televisões em todos os cômodos. Sim, inclusive nos banheiros. Sim, ela caga assistindo Silvio Santos. Sim, eu também assisto Silvio Santos, mas não cago durante o programa pois tenho problemas intestinais. Sim, eu desvirtuei completamente do assunto e estou falando sobre cocô porque tenho 3 anos de idade.

A internet caminha para num futuro próximo substituir a importância da televisão, caso a mesma não se adeque a uma nova realidade. E não digo se adequar no sentido de criar pesquisas interativas e decidir quem será eliminado do BBB. Experiências bem maiores que essas. Observe que eu digo sobre substituir a importância, não a mídia. Uma mídia jamais acabará com outra como se acreditava que a TV acabaria com o rádio que, por sua vez, mataria o jornal. Ninguém vai engolir ninguém nessa suruba. Pode levantar as calças, rapazinho!

Analisando essa cadeira hereditária o documentário, você percebe que o poder da televisão brasileira, especificamente a Globo, se deu pela falta de alternativas midiáticas e interesses governamentais. Hoje a internet chega em situação curiosamente parecida ao Brasil, com a diferença que precisa-se de alternativas, mas também há interesses governamentais.

É público e notório que Dilma só foi ao segundo turno das eleições graças ao poder da internet. Poder esse que a campanha dela duvidou até perceber sua queda nas pesquisas e a necessidade de um segundo pleito. A internet foi decisiva pra que hoje ela esteja em Brasília tomando seus bons drink e curtindos esses momentos meus. Se a internet foi sua maior arma na correria eleitoral, fazendo-a reverter a enrascada que se meteu por falar sobre o aborto e uma série de hoax criados pela oposição, a médio prazo a internet pode ser sua maior aliada.

Se depender da grande mídia, leia-se, Rede Globo, Aécio Neves será o próximo presidente. Nem era pra Dilma ser eleita, se o desejo de Ali Kamel fosse atendido. Era vexatório como o jornalismo do Jardim Botânico privilegiava a campanha tucana. Bem como era muito clara a preferência da Rede Record pela campanha petista. Nem precisava ser muito inteligente pra perceber isso. A fuga era a internet, onde tudo toma dimensões superiores. E hoje qualquer imbecil tem acesso a uma lan house e pode ler um blog como este, que defenda este ou aquele candidato. Em resumo: popularizar a internet não é apenas uma forma de fazer todo mundo feliz e calar a boca de geral. É um jeito muito bonito de democratizar a informação. É perigoso? Sim. Se existe uma informação, ou melhor, opinião que privilegia a situação, haverá também aquela que fará campanha da oposição. Mas o risco vale a pena. Quanto mais acesso a informação, e, aliado a uma ação populistamente democrática, o retorno é quase garantido. Sem contar o clima de “estamos investindo em educação” que essa ação proporciona. O governo do estado do Rio já faz isso com seus alunos do ensino médio, doando cerca de 5.000 computadores/ano. Baixar o preço do iPad é interessante para o governo, que cortará gastos abusivos de sistemas operacionais caros e equipamentos igualmente nababescos.

Lógico que existe a hipótese de ser apenas o interesse de tirar algum com a venda de iPads e que Dilma tenha um caso secreto com Steve Jobs. Mas anotem em seus caderninhos: candidato que não investir tanto ou mais que a televisão na internet, certamente perderá as próximas eleições.

Rebecca Black é melhor que Beatles

Essa semana tá rolando a nova febre da rata na ~rede mundial de computadores~ (já posso ser redator do Jornal da Globo). Rebecca Black tem 13 anos e gravou A-MELHOR-MUSICA-AND-VIDEOCLIPE-DOS-ULTIMOS-DOIS-MIL-ANOS.

Com um roteiro super-elaborado e lotado de referencias e icones pop, Rebecca Black vem a tona com seu frescor e criatividade, mostrando que menarca não é bagunça! Vamos ao vídeo!

Me diz se isso não é a oitava maravilha do mundo? Ok, você é uma pessoa desatenta e não pescou tudo o que o clipe de Rebecca Black significa para nossa geração.

Rebecca não tem medo de ousar e coloca em apenas uma imagens duas referencias muito fortes da década de oitenta. Década essa que a menina nem era nascida. Ela poderia se limitar a fazer uma homenagem apenas por segundo, mas sua genialidade permite que ela crie a fusão de A-ha e The Cure em uma única cena:

Aparentemente apenas Rebecca (Ou Re B., pros íntimos como eu) controlando o calendário sem utilizar as mãos. Mas ela não se limita a isso.

Desenhos em traços interagem com a realidade obscura do A-Ha + Referências a The Cure, em “Friday, I’m in Love”. As duas letras falam claramente sobre a paixão sobre esse dia da semana e o quanto são felizes nesta data.

Re B. não se limita a referências musicais, mas trás o cinema para seu vídeo, como nesse trecho onde ela faz uma clara alusão ao filme 12:01, de 1993. Rebecca mostra como uma menina de apenas 13 anos se sente presa no tempo, com todas as pressões que a sociedade impõe aos nossos jovens.

Rebecca também teu seu lado brasileiro. E mostra isso neste take onde todo mundo está desesperado, vendo o mundo se desmorar e Re B. apenas entoa para si a fortíssima oração de São Jorge, numa referência a toda brasilidade que ela carrega em sua alma. Perceba como ela não se altera e mantem sua pose e sua fé no santo guerreiro.

Rebecca também é inclusão social: para mostrar como é engajada com as causas dos oprimidos, ela faz seu vídeo sendo auto-explicativo, para que surdos também possam apreciar seu talento latente. No momento em que ela fala “Bus Stop”, temos uma placa em cena para ilustrar o que isso significa. Sem contar que esse recurso da literalidade em videoclipes nada mais é que uma homenagem ao fantástico clipe de “A Little Respect” do Erasure.

E Rebecca, como todo jovem, tem muitos amigos. Ela é tão querida, que seus companheiros de escola a buscam em casa, para não sofrer com os saculejos de um ônibus lotado. Mas apesar da pureza da cena, Rebecca rivaliza neste momento. Observem o motorista:

Aparenta um tanto quanto jovem para dirigir, não? Isso é uma mensagem que ela manda a todo o mundo. Rebecca diz “a partir de hoje sou a única diva teenager do mundo. Justin Bieber agora será meu motorista particular, pois meu talento vai engolir sua carreira de tal forma, que ele se sujeitará a um sub-emprego na Re B. Inc.” Quanta atitude tem essa moçoila!

Garotas no poder! Mulheres também podem sair, se divertir, dirigir seus carros, namorar, mexer nos cabelos e tudo mais que um homem faz. Com o adicional de se vestir glamurosamente como Geisy Arruda pra chocar a sociedade conservadora que vivemos! GO REB!

Rebecca inova mais uma vez e recusa-se a fazer qualquer tipo de coreografia em seu vídeo, algo completamente novo dentro do universo pop, apesar da quantidade incrível de figurantes em cena. Isso sem contar que Rebecca mostra como é possível ser um ícone, cantar música pop e não se vestir como uma vadia com esta belíssima e refrescante composição.

Doctor Rey clicou pra curtir e Daniela Albuquerque quer Re B. bem longe do Dr. Amilcare!

Se você tiver fotosensibilidade, não recomendo esse pedaço do clipe que faz uma homenagem ao episódio proibido de pokémon. Muito Porygon!

Rebecca é muito generosa e resolveu ceder um espaço de sua fama a um rapper desconhecido para fazer um feat. em sua música. Óbvio que isso é mais um exemplo de inclusão social. Sabe quanto este senhor consumia de crack por dia antes de ser abrilhantado por Rebecca Black?

A PLATÉIA ANIMADA E LOTADA CONFIRMA: REBECCA BLACK É SU-CES-SO!

Rebecca é o espírito que contagia as boates do mundo inteiro x como é dificil e solitária a vida de uma diva da teenage pop music. Rebecca é questionamento filosófico no Youtube, Rebecca é crítica social, Rebecca é o yin dialogando com o yiang!

O clipe termina e deixa um delicioso gostinho de quero mais. Isso sem falar da bela homenagem que ela faz a todos que sofrem diariamente as mais terríveis adversidades, colocando as palmas de sua empolgada platéia em silêncio. É sinal de respeito e humildade, pois sem sombra de dúvidas, ela saiu deste pocket show carregada pelo povo.

REBECCA É O FUTURO!

Como liberar a união civil gay no Brasil

Olá, amiga dona de casa que está preocupada com seu filho que dubla Rihanna o dia inteiro,  quer fazer curso de ~hair designer~ no SENAC e tem um amigo que não sai do quarto dele. Tudo bem com a senhora? Esse post é pra você que visa o futuro da sua criança, porque sim, ele é gay. (TODAS SE CHOCA)

Saiu a notícia por aí que Jean Wyllys foi ameaçado de morte por querer liberar a união civil homossexual (nunca usem a expressão CASAMENTO GAY, porque é feio, ok?). Daí que não fiquei nem um pouco chocado e, provavelmente, nem ele. Mas o que vale nessa vida é ter uma linda assessoria de imprensa que divulgue cada peido que você dá, ainda mais quando você é um Ex-BBB. Porque ex-bbb é igual emergente ex-morador do suburbio: você sai da casa, mas a casa não sai de você.

DON'T BE A DRAG, JUST BE ALOKA

Aí que Jean entrou, mais uma vez, com um projeto de lei, ou algo parecido (não sou advogado pra saber essa pequinês), pra liberar logo a união civil homoafetiva. E querem saber: não será aprovada nem hoje e nem nunca. A bancada evangélica é muito mais forte que a bancada que representa a galera ~transgressora~ e eles vão mandar e desmandar nesse país enquanto a galera não se organizar.

Pegando o belo exemplo da comunidade evangélica no Senado e na Câmara, tive uma ideia para aprovarmos todas as questões que interferem na nossa vida, como união civil, aborto, legalização de drogas e redução drástica de preços do Toddynho (porque fazer toddynho em casa nunca fica tão gostoso e eu acho um absurdo pagar 2,50 pelo pó solúvel que rende dois meses aqui em casa e 5 reais pelo litro que acaba em dois dias). A fórmula secreta para termos uma bancada que nos interesse deve seguir o seguinte organograma:

1 ) esperar o ano de eleição (ou seja, 2014. se fode ae)

2 ) publicar em um site minimamente respeitado, sei lá, Papel Pop, por exemplo, que Lady Gaga, Madonna, Britney Spears, Rihanna, Beyoncé, Wendy Sulca, Tigresa do Oriente e Perla Paraguaia se uniram e decidiram que só vão fazer shows em países onde os direitos homoafetivos (ou algo do seu interesse) são respeitados.

3 ) gerar mobilização popular para que todos caminhem até Brasília para fazer pressão política nessa galera

4 ) apresentar a importancia de votar em pessoas engajadas com a causa de trazer Lady Gaga, Madonna, Britney Spears, Rihanna, Beyoncé, Wendy Sulca, Tigresa do Oriente e Perla Paraguaia para o Brasil

5 ) fazer uma música de campanha, porque isso sempre gera comoção (de preferencia um bate cabelo bem manero pra tocar nas boates e as pessoas acharem que política pode ser divertido)

6 ) colocar um pacote de pão de queijo no forno e esperar o Brasil começar uma guerra civil ideológica pró-shows de Lady Gaga, Madonna, Britney Spears, Rihanna, Beyoncé, Wendy Sulca, Tigresa do Oriente e Perla Paraguaia.

7 ) Eleger uma bancada representativa e, por fim, liberar o que nos interessa

8 ) Nunca desmentir o boato. Se Lady Gaga, Madonna, Britney Spears, Rihanna, Beyoncé, Wendy Sulca, Tigresa do Oriente e Perla Paraguaia não aparecerem no Brasil, inventamos uma nova causa.

Essa simples fórmula pode salvar nosso país! VAMO LÁ GALERO!

Se isso tudo não der certo, temos a opção de fazer uma vaquinha, apostar na mega-sena, deixar o dinheiro render por 10 anos, comprar um país como o Panamá, mudar todo mundo pra lá e fazer uma terra do gang bang da democracia.

E aí, quem tá comigo coloca o dedo aqui que já vai fechar!

No, we can’t

SEU CU NÃO SERÁ POUPADO

E aí que Obama decidiu que ele é fodão e não vai fazer discurso pra pobre nesse pais de terceiro mundo. Bem feito. Bem feito pra esse mundo de gente que gastou dinheiro comprando bandeirinha dos Estados Unidos pra agradar o cara, como se ele nunca tivesse visto uma bandeira dos Estados Unidos, que chegou atrasado em todos os compromissos, porque a prefeitura do Rio resolveu dar um tapa no visual da cidade na última hora, e, principalmente, bem feito pra você que acredita em tudo que lê e achou mesmo que o presidente do país mais paranóico do mundo ia fazer um discurso ao ar livre em plena américa do sul. O que esperar de um povo tão gentil que clica em links como “olhe como nossas fotos ficaram ótimas fotos.exe”? Fizeram uma micareta pro Obama e o cara decidiu que, por motivos de segurança, era melhor não fazer o tal discurso.

Lógico que Eduardo Paes, o reizinho do Rio, ficou bem puto. Era a chance dele mostrar como é fodão, tirar umas fotos maneras pra colocar no Orkut, no Feice, no ManHunt. Eu confesso que lá no fundinho do meu coração queria que Obama fizesse o tal discurso, fosse um tremendo fracasso (como tudo tende a ser) e o Brasil perdesse toda a credibilidade para realizar os Jogos Olimpicos de 2016. Eu sou absolutamente contra os jogos aqui, não vejo qualquer vantagem pra cidade e o tanto de dinheiro que gastaremos pra 30 dias de esportes poderiam ser gastos em coisas muito mais importantes. Não que eu ache que o Rio não mereça receber tais jogos. Merece sim, mas não na atual situação. Acho que pagar melhor os funcionários, construir mais escolas e hospitais e toda aquela lenga lenga eleitoral são objetivos bem mais importantes que um novo velódromo na Barra. Quem morou aqui na época do Pan sabe o caos que ficou a cidade. A tal linha 4 do metrô que era pra servir ao Pan ainda está no início das obras, e reza a lenda que será uma tarefa cobrada a parte (como se pagar R$ 3,10 por dois barbantes como o Metrô-Rio já não fosse suficientemente manero pra cidade). No fim das contas, pintaram um pedaço de meia dúzia de ruas de laranja e fim, tava resolvido o problema do trânsito pra quem ia competir no Pan. A população que se foda grandão. O mesmo acontece hoje com as Olimpiadas. Em 2016 pagaremos o maior mico da história deste país desde a saia balonê.

A verdade é que essa trollada do Obama só serviu pra queimar a segurança do Rio no mundo (porque galero nem vai ver com bons olhos esse lance) e mostrar que brasileiro é preguiçoso. Não o brasileiro médio, mas o cara que tá por cima da carne seca. Se em uma semana conseguiram recapear ruas, limpar calçadas, aumentar policiamento, resolver o problema dos indigentes (sabe-se lá como), reformar a Cinelândia, reurbanizar alguns bairros de interesse da prefeitura e outros serviços corriqueiros, por que caralhos em chamas isso não foi feito anteriormente? Nesse ritmo, vou torcer pra ter um líder mundial por semana querendo tomar umas caipiroscas na Cinelandia. Ae, Kadafi! Chega junto nas quebrada!

Só acho vacilo nisso tudo é que eu já tinha pedido pro Obama trazer um walkman amarelo lá dos EUA e o cara fura dessa maneira. Porra, agora vou ter que esperar algum primo ir a Zona Franca de Manaus.

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: